top of page

Faustão: 'Não volto para a TV, prefiro deixar saudade do que encher o saco'



Fausto Silva está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) desde 5 de agosto. Inicialmente paratratar uma insuficiência cardíaca e realizar diálise, além de tomar medicamentos para ajudar na força de bombeamento do coração, o que lhe colocou na lista de prioridades. Em 27 de agosto, o apresentador passou por um transplante de coração e, agora, segue se recuperando no hospital.


Segundo o Einstein, a Central de Transplantes do Estado de São Paulo contatou o hospital na madrugada do mesmo dia da cirurgia para informar sobre o novo coração. Após a avaliação de compatibilidade do órgão, a cirurgia foi realizada e durou cerca de 2h30. Conforme a Central de Transplantes do Estado de São Paulo, durante a mesma madrugada, o sistema localizou 12 pacientes que atendiam aos requisitos para o transplante. Faustão, no entanto, ocupava o segundo lugar entre os casos prioritários.


"Pode perguntar o que quiser. Estou me sentindo ótimo. Por mim, eu saía daqui amanhã, estou abismado com a minha recuperação. Não tenho nada para reclamar. Sinto apenas uma leve dor nas costas, é um detalhe perto de tudo que aconteceu", disse ele, ontem, em uma entrevista à coluna.


Bastante empolgado, Faustão contou com exclusividade a sensação de ter um novo coração. "Sinto como se o meu coração batesse ainda mais forte, é uma sensação única. Tiveram que tirar um monte de entulho de dentro de mim, e colocaram um coração novo, de um garotão de 35 anos. É algo que me faz sentir muito vivo."


Questionado sobre qual foi seu primeiro pensamento após acordar da cirurgia, Fausto elogia muitas vezes o trabalho dos médicos, e faz um apelo. "O meu primeiro pensamento foi: eu preciso motivar a doação de órgãos. O Brasil tem que ser o primeiro lugar do mundo. Tem que existir mais projetos. Precisamos fazer alguma coisa para melhorar isso, e pensarmos nos próximos. Precisamos usar a fé na doação. Se eu não tivesse fé, não estaria vivo."


" Ontem parecia que eu estava num dia normal na minha vida. Sentei, andei, conversei. É um absurdo poder fazer tudo isso. Só tenho a agradecer aos meus médicos e ao SUS. Tudo isso também é graças ao SUS. Não é porque eu tenho dinheiro que estou bem. Tudo isso que fiz também é feito no SUS, e isso precisa ser valorizado. É importante que todos se informem sobre, e essa será agora a minha missão. "


FONTE: UOL

3 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page